quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Sou Burro...


Os Sábios
Os verdadeiros Inteligentes
Não se apaixonam
Não caem no amor
Pois raciocinam demais
Ficam vincados nos contras

Aprendem demasiado com o passado
O coração apenas é órgão mas não tem sentido
Têm um dialecto demasiado certo
Falam e ouvem por necessidade e não porque sabe bem

A inteligência é ilusória da verdadeira felicidade
A máscara dos receosos e dos magoados

“Nunca vou amar” que falso!
“Amo-te? Nunca!” que mentiroso!
Ignoro que sou humano
Vejo-me com funcionalidade 

Que direito tenho eu
De matar uma vida
Inibindo-a de gozo, paixão, prazer e amor?
Não tenho…  

Inteligência é viver
De janelas fechadas para o medo
De portas fechadas ao doce da vida

Perdem pois apenas são plateia
De um espectáculo inesquecível
Lutar para quê?
É instintivo…

Sou Burro, Labrego, um Ignorante
Porque quero e mesmo não querendo
Caiu com prazer…
No magnífico erro de amar…










3 comentários:

Lia Vergottini disse...

ohh q máximo +.+
é verdade que não passamos de loucos que acreditam no amor...mas que importa o resto do mundo, quando temos a pessoa amada?! ;)

Vagabundo disse...

amor, paixão ou simplesmente gostar de alguém... se tivermos esse alguém as coisas ganham outro sentido =)

a loucura faz parte da vida!

Lia Vergottini disse...

não podia concordar mais ;)